RESPONSABILIDADE SOCIAL

Responsabilidade social se faz com conhecimento, inclusão social
e criação de oportunidades de trabalho.

FPF Tech, um projeto social e tecnológico

A Fundação Paulo Feitoza (FPF Tech) tem em seu DNA a responsabilidade social. Desde a sua fundação, tem projetos e programas que têm mudado a realidade das pessoas, por meio do inventivo à educação, da inclusão social e da geração de oportunidades de trabalho.

Com a consciência de ser um agente de transformação, o fundador da FPF Tech, Desembargador Paulo Feitoza, concentrou-se na realização de um projeto grandioso:

“Desenvolver a Região Amazônica como polo econômico e tecnológico, criando oportunidades e um futuro melhor para as pessoas e a população de Manaus.”

Para o seu orgulho, a FPF Tech, desde 1998 já desenvolveu mais de 1500 projetos de inovação tecnológica e recebeu diversos prêmios, tornando-se referência nacional e internacional no ecossistema de pesquisa e desenvolvimento. São quase 20 anos de sucesso, fortalecendo a sustentabilidade da Região Amazônica.

Educação, tecnologias sociais e voluntariado são pilares das ações de responsabilidade social da FPF Tech. Dentre os vários projetos desenvolvidos ao longo dos anos, destacam-se os Centros de Treinamento de Informática (CTI´s), na área de Educação, e o Acessimouse, na área de Tecnologias Sociais, além de muitas ações de voluntariado.

Centro de Treinamento em Informática (CTI)

Educação é a base da construção de uma sociedade mais justa

Um dos orgulhos da empresa é o Centro de Treinamento em Informática (CTI), o mais antigo programade responsabilidade social da FPF Tech na área d e Educação, com mais de 17 anos em atividade e mais de 22 mil pessoas capacitadas nos cursos de Informática Básica e Programação Web. O próprio
fundador, Desembargador Paulo Feitoza, foi aluno do CTI em suas primeiras turmas, no Programa de Inclusão Digital (PID) numa clara demonstração do quão importante o projeto representava para ele e representa até hoje para a FPF Tech.

Totalmente gratuito e voltado para a população de baixo poder aquisitivo que vive em vulnerabilidade social, o programa visa dar mais oportunidades educacionais e de inclusão destes jovens no mercado de trabalho.

Atualmente, a empresa oferece dois cursos: Informática Básica e Programador Web (Introdução à programação e Programador Web), desenvolvidos em dois Centros de Treinamento, nos bairros de Aparecida (centro) e Zumbi (zona leste), mantidos através de parcerias com empresas investidoras, que podem utilizar recursos da Lei de Informática para apoiar a inclusão social.

RELEVÂNCIA PARA A VIDA DAS PESSOAS E DA REGIÃO

Um dos aspectos mais relevantes deste programa é a oportunidade de mudança de vida dos alunos por meio da educação e do desenvolvimento profissional. Muitos jovens mudaram sua condição social e de sua família, além da carreira, a partir de sua participação nos cursos.

HISTÓRIA DOS NOSSOS EX-ALUNOS:

RICARDO MACÊDO GALÚCIO

Técnico de Suporte da FPF Tech. Fez o curso de Informática Básica e Avançada, no Centro de Treinamento de Informática (CTI) Nosso Lar, no bairro Amazonino Mendes no segundo semestre de 2002.
Trajetória na FPF Tech

“Na época, a FPF Tech estava realizando teste com os alunos que concluíram o curso para vaga de Instrutor de Informática. Passei no teste e iniciei na empresa em fevereiro de 2003. No decorrer dos anos, recebi várias promoções e treinamentos e hoje sou Técnico de Suporte”.

Oportunidades para a carreira

“O curso foi essencial. Naquela época não tinha ideia da importância da informática. Sem essa oportunidade, acredito que teria seguido um caminho totalmente diferente, pois minha família não tinha condições de pagar nenhum tipo de curso. A FPF Tech representa uma segunda família, da qual sou grato todos os dias por fazer parte”.

PEDRO HENRIQUE ABREU DA SILVA

Desenvolvedor na FPF Tech. Fez o curso de Programador Web Básico, em 2004.

Trajetória profissional

Pedro diz que fez o curso por conhecimento e por gostar de informática. “Trabalho desde pequeno e sempre tive interesse na área da tecnologia. Quem é jogador de vídeo game acaba se interessando pelo assunto. O único problema é que, na época, era muito caro fazer um curso de informática, por mais que eu trabalhasse, não tinha como bancar um. Tudo começou quando uma pessoa que me inscreveu no curso da Fundação. Ali mudou tudo. Fiz o curso todos os dias, e conforme o curso foi passando, o instrutor Amiraldo foi observando as pessoas com aquela habilidade a mais e indicou algumas para realizar o teste na FPF. Lembro-me que fui bem no teste e só não entrei por causa da minha idade, tive que esperar mais um ano para a coordenadora Wilmara me ligar, avisando que teria uma entrevista e teste novamente”.

Oportunidades para a carreira

Pedro entrar na fundação com instrutor e passou quase 5 anos dando aulas no CTI. “Nunca imaginei eu dando aulas, até porque eu era um pouco tímido e ficava muito nervoso em falar em público. Isso eu perdi, até mesmo projetos sociais que não conhecia, acabei gostando muito. Logo depois, a FPF Tech me deu a oportunidade de vir trabalhar na sede, como Analista de Implantação. Passei quase 8 anos atuando em projeto chamado iDoctor, um dos projetos que mais me apeguei e sempre gosto de ajudar, porque ele tem um lado social muito bom. Depois fui trabalhar em outros projetos. Hoje estou no projeto SIGOC, como Desenvolvedor, é um projeto que estou gostando muito, fora o conhecimento que estou adquirindo”, esclarece.

Representatividade

O curso mudou muito minha vida, eu agradeço muito a Deus por essa porta e à pessoa que me inscreveu no curso, neste caso, o marido da minha prima, que mesmo não sendo meu irmão ou meu pai, sempre me deu conselhos na minha época de adolescente rebelde e até hoje ainda me aconselha. Ele foi a principal pessoa que identificou meu interesse pela área e me ajudou muito a conquistar meu objetivo. Tenho muito respeito e o considero como irmão mais velho ou até mesmo um pai. Além disso, não posso esquecer de todas as pessoas e amigos que me incentivaram fora e dentro da empresa a acreditar e à FPF Tech, que criou esse projeto que muda, de fato, a vida de pessoas”.

FILIPE LINS DE VASCONCELOS

Analista de sistemas PL III. Fez o curso de Informática Básica e Avançada, no Centro de Treinamento de Informática (CTI) no bairro São Francisco, em 2006.
Trajetória na FPF Tech

Após o término do curso, Filipe recebeu o convite para participar do processo para trabalhar na FPF Tech como Instrutor de Informática. “Fiquei um pouco receoso em dar aulas, mas aceitei o desafio e vim para a FPF Tech. Foi uma ótima experiência para minha vida. Aprendi a me expressar e dar mais valor para o que eu tinha, pois vivenciamos muitos casos no CTI e acabamos fazendo vários amigos. Após dois anos dando aula surgiu uma oportunidade na sede para trabalhar com desenvolvimento de jogos e conteúdos educacionais em flash. Aceitei o desafio e comecei a trabalhar como Desenvolvedor. Passei 7 anos trabalhando com jogos, conteúdo interativo e front end. Em 2016 sai da FPF Tech, mas no início de 2017 surgiu a oportunidade para trabalhar com jogos para smartwatch e desenvolvimento front end e voltei para a empresa onde pretendo continuar por alguns anos. Aquele curso que fiz no CTI mudou minha vida profissional e pessoal, por isso que tenho orgulho de trabalhar na FPF”.

Oportunidades para a carreira

“Esse curso realmente moldou minha vida pessoal e carreira profissional. Minha carreira na Área de Desenvolvimento simplesmente não existiria se não fosse esse curso. Realmente não sei o que eu estaria fazendo, foi meio que tudo ou nada e tem sido assim desde então”.

AcessiMouse, tecnologia que mudou a vida de algumas pessoas

Produto inovador que facilita a comunicação e melhora a qualidade de vida de pessoas com deficiência

Na FPF Tech, várias soluções já foram desenvolvidas na área de Tecnologias Sociais, com os projetos de acessibilidade como o Mouse Ocular, o Activelris, Teclado Virtual, Teclado Virtual Infantil, aplicativos de apoio como alguns jogos e o AcessiMouse, um dos projetos mais inovadores da empresa.

O computador é um versátil canal de comunicação e uma poderosa ferramenta de trabalho que traz novas possibilidades às pessoas com deficiência. As dificuldades de operar um mouse ou teclado para pessoas com deficiência motora nos membros superiores é uma realidade que pode ser superada com o AcessiMouse. Esta tecnologia proporciona mais autonomia, independência e melhorias significativas na autoestima dos seus usuários.

O sistema possibilita a utilização do computador através de pequenos movimentos da cabeça, por meio de imagens capturadas por um webcam instalada no computador, de modo a controlar os movimentos e cliques do cursor do mouse. Ele contribui significativamente para a inclusão digital, social e até mesmo econômica de pessoas com deficiência nos membros superiores, melhorando sua autoestima e possibilitando sua inserção no mercado de trabalho.

Na FPF Tech, na época do desenvolvimento desses programas de acessibilidade, uma colaboradora estava sempre presente, Maria do Socorro. Ela participava do desenvolvimento dos projetos como testadora e usuária dos mesmos, e até hoje trabalha na FPF Tech, sendo muito importante para sua autoestima e inserção na sociedade. Para ela, foi um divisor de águas, pois passou a trabalhar, sendo inserida no mercado de trabalho, além de ter mais qualidade de vida e felicidade. “Sinto-me feliz por isso. Essa tecnologia mudou muita coisa em minha vida, consigo ver meus e-mails e realizar outros trabalhos que faço hoje no apoio a área de Responsabilidade Social”, destaca. Socorro ressalta, ainda, que o AcessiMouse mudou a forma dela se comunicar e de ser ativa na sociedade, elevando sua autoestima e mudando, inclusive, a perspectiva da família. “Minha família também ficou mais feliz, acharam muito bom, pois estou mais feliz”, finaliza.

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

Sistema para automatização do processo de alimentação da empacotadora dos blocos de recado

 

BENEFÍCIOS

TECNOLOGIAS

Plataforma para modelamento Creo, plataforma de modelamento Solid Works, programação PLC, linguagem Ladder, normas NR 10 e NR 12.  

 

×